KulTour na Rocinha

Rocinha – A maior favela da America Latina? Se essa informação é verdadeira não temos certeza, mas de uma coisa estamos certos, a Rocinha é muito grande. E há muita coisa para se descobrir: Perspectivas e vivências dos moradores, projetos sociais, uma aula experimental de Capoeira, graffites de “WARK” e, com um pouco de sorte, uma conversa com o próprio graffiteiro Marcos Rodrigo.

Moradora e guia de turismo, Catarine oferece através do „Kultour Rocinha”um tour guiado dentro da Rocinha. Indicamos este passeio para todos que tenham interesse em especial pelo cotidiano da favela e pelo engajamento da sociedade civil dentro deste contexto.

Como chegar: De Copacabana cerca de 30 min. Com metrô (R$ 4,30) até estação São Conrado/Rocinha (Linha 4). Preço adicional para aqueles que quiserem um transporte privado (R$ 60,00/pax) Catarine pode buscá-los e trazê-los de volta ao seu Hotel em Copacabana/Ipanema/Leblon.

Dias/horários/duração: diariamente, horário e duração de 1,5 – 3 horas.

Valor: R$100,00 (cerca de 30,- €) por pessoa.

Inscrição: Mediante a solicitação de reserva neste site.

Catarine, nascida e criada na Rocinha, fala alemão fluentemente e oferece através do “Kultour Rocinha” uma visão autêntica de um Brasil bem diferente daquilo que é visto em Copacabana por exemplo: Uma inspiração para turistas, que têm interesse em especial pela cultura da favela do Rio de Janeiro.

Catarine irá buscá-los na saída do metrô, na estação São Conrado/Rocinha e dará visões e perspectivas diferentes da favela, que é difícil conhecer e entender de verdade indo sozinho ou com um guia que não seja local. A valorização da comunidade é um desejo essencial.

O tour começa no alto da Rocinha em um mirante chamado Visual, pelo qual a Rocinha se estende. Descendo pelas ruas movimentadas, entrando nos becos e vielas estreitas, podemos conhecer o interior da comunidade. Enquanto isso, Catarine os contará a impressionante história do seu bairro.

Desde 2011 a Rocinha foi pacificada, ou seja, agora existe uma presença maior da polícia. O que isso significa para os moradores e o quanto a vida mudou desde então, tudo isso faz parte da historia dessa cidade e tudo isso se torna mais presente durante o passeio.

Além disso, vocês conhecerão um pouco da vida cultural da Rocinha: O tour passa pelo ateliê do “Wark´studio”, cujo os grafites enfeitam muros na cidade toda e principalmente na Rocinha. Se o ateliê estiver aberto, vocês podem inclusive bater um papo com o artista, Marcos Rodrigo. Para os mais esportivos: Todos os dias o grupo “Acorda Capoeira” treina em uma pracinha no meio da Rocinha. Eles fazem um show de capoeira e convidam os turistas para fazer uma aula experimental e experimentar tocar um dos instrumentos da capoeira, em troca eles pedem uma pequena contribuição para manter o projeto social.

Nos locais onde o Estado desvia o olhar, muitas vezes organizações sociais se encarregam do trabalho social. A Rocinha é um desses lugares- com projetos sociais que oferecem apoio à comunidade. Catarine trabalha dando aulas gratuitas de alemão para moradores da Rocinha na ONG “Amigos da Vida”. Uma visita nesta organização faz parte do Kultour. Na parte baixa da Rocinha encontra se a escola de surf “Rocinha Surf Escola”, onde acontecem diferentes atividades e aulas de surfe para crianças e adolescentes.